Portal Expresso

Segunda, 02 de agosto de 2021
MENU

Santa Catarina

Ciclone bomba em SC: especialistas avaliam riscos após alertas de tempestades severas

Temporais podem provocar queda de granizo, raios e fortes ventos no Estado; por enquanto, possibilidade de ciclone bomba está descartada

2691
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O avanço de um ciclone extratropical no Litoral do Uruguai deve provocar temporais em Santa Catarina nesta quinta-feira (24). O fenômeno gera risco para queda de granizo, raios e rajadas de vento que podem alcançar os 80 km/h. Mas é possível que esse fenômeno seja um “ciclone bomba”?

Primeiro, vale entender o que é o chamado “ciclone bomba”. De acordo com a Epagri/Ciram, o ciclone explosivo — popularmente conhecido como bomba — ocorre devido à alta variação de pressão em um intervalo de 24 horas, que pode ocasionar mudanças repentinas no tempo de uma região.

A palavra “bomba” quer dizer que a pressão do ciclone cai rapidamente, ou seja, o sistema se fortalece muito rápido. A duração é rápida e com efeitos intensos, associados a chuvas, quando próximo à costa, e rajadas de ventos fortes.

Possibilidade em SC

A plataforma Climatempo diz que os modelos atmosféricos divergem um pouco sobre a queda da pressão deste ciclone em formação na costa do Uruguai. Porém, esse ciclone não entra na categoria de “ciclone bomba”, pois sua pressão não cai rápido o suficiente.

“De qualquer forma, vale ressaltar que é um ciclone extratropical forte que vai provocar ventos entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, grandes acumulados de chuva, queda de granizo e com grande potencial para diversos transtornos.”, informa a plataforma.

Na avaliação do meteorologista Piter Scheuer, é apenas uma frente fria que favorece a ocorrência de chuva. Ele acredita que não há condições para que o fenômeno “ciclone bomba” seja registrado no Estado.

Gilsânia Cruz, meteorologista da Epagri/Ciram, diz que o ciclone ainda está em formação na litoral do Uruguai, por isso não há como confirmar que será um “ciclone bomba”. O que vai determinar esse fenômeno é a intensidade.

“O ciclone está muito ao Sul. O mais importante são os impactos que trará ao Estado. Influencia na frente fria, com riscos para temporais, descargas elétricas e tempestade severa, principalmente, no Oeste e Meio-Oeste. Traz também ventos fortes, que já estão soprando no Estado, sobretudo, no Oeste e Litoral Sul.”, explica.

A meteorologista também alerta para o risco de mar agitado na costa Sul catarinense. São esperadas ondas com direção nordeste e altura de 2 metros a 2,5 metros, com picos de até 3 metros.

Ciclone bomba atingiu SC em 2020

O chamado “ciclone bomba” recebeu grande destaque na mídia em junho e setembro do ano passado, pelos estragos provocados e vidas perdidas em decorrência do fenômeno.

Foram registrados ventos de até 60 km/h no interior do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. No Litoral Sul do Estado ocorreu ventania de até 90 km/h.

Fonte/Créditos: ND MAIS

Créditos (Imagem de capa): Foto: Defesa Civil/Divulgação/ND

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )