Portal Expresso

Sabado, 22 de Junho de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Meio-Oeste - SC

Recém-nascida é achada morta e enterrada embaixo de assoalho de casa em SC; pais são presos

Suspeitos já têm dois filhos e não queriam mais nenhuma criança, informou a Polícia Civil. Crime aconteceu em Caçador.

Reporter Zildomar
Por Reporter Zildomar
Recém-nascida é achada morta e enterrada embaixo de assoalho de casa em SC; pais são presos
Foto: Polícia Civil/Divulgação
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Um casal foi preso em flagrante no domingo (12) após confessar ter matado a filha recém-nascida e tê-la enterrado embaixo do assoalho da casa em que moram em Caçador, no Meio Oeste de Santa Catarina. De acordo com a Polícia Civil, o homem e a mulher já têm dois filhos e não queriam mais nenhuma criança.

A prisão ocorreu após os investigadores receberem um boletim de ocorrências sobre o desaparecimento da mãe da criança, feita por um familiar, que não conseguiu contato com a mulher. A polícia descobriu, então, que ela e o companheiro, de 22 anos, cometeram o crime.

 

Publicidade

Leia Também:

Casal é preso por matar e enterrar filho recém-nascido embaixo de assoalho de casa — Foto: Polícia Civil/Divulgação
 

A investigação teve início na sexta-feira (10) e, 72 horas depois, os dois foram detidos. A criança estava morta há cerca de 10 dias, e foi asfixiada entre o trajeto do hospital até a casa logo após o nascimento.

Conforme o delegado Marcelo Colaço, da Delegacia de proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de Caçador (DPCAMI), os dois confessaram o crime e indicaram o local em que a bebê estava enterrada.

 

"A motivação foi simplesmente o fato de não quererem o filho, eles não queriam o filho, já tinham dois filhos e não queriam mais filho e decidiram acabar com a vida do filho e, depois, enterrar", afirmou o delegado.

 

Segundo a Polícia Científica, a vítima estava enterrada 50 centímetros abaixo do assoalho. A causa da morte e informações sobre quando o crime aconteceu não foram detalhados.

 

"Não vejo uma motivação num suposto estado puerperal que tivesse alterado essa capacidade de entendimento dela [mãe]. Eles ocultaram o tempo todo essa gravidez da família. Não queriam mais um filho", afirmou o delegado.
Reprodução g1/SC
FONTE/CRÉDITOS: g1
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )