Portal Expresso

Sabado, 22 de Junho de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Santa Catarina

Tentativa de homicídio de pai e filho em Gaspar tem desfecho após mais de 30 horas de julgamento

Vítimas foram alvo de emboscada em via pública em plena tarde no município.

Redação Portal Expresso
Por Redação Portal Expresso
Tentativa de homicídio de pai e filho em Gaspar tem desfecho após mais de 30 horas de julgamento
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Um crime registrado em plena luz do dia, tendo como vítimas pai e filho, teve desfecho após mais de 30 horas de julgamento na Comarca de Gaspar na noite desta quarta-feira (7/12). As vítimas foram alvos de tiros durante uma emboscada na tarde de 28 de janeiro de 2021 em uma via pública do município.  

Dois dos réus - um deles apontado como mandante e outro, intermediário da arma de fogo utilizada - foram condenados pelo homicídio qualificado tentado do filho, indicado como o principal alvo. Eles já estavam presos por outros crimes e a ordem de execução teria partido de dentro do sistema prisional. 

Já os outros dois réus, que executaram diretamente a ação criminosa, foram sentenciados pelo duplo homicídio qualificado tentado de ambas as vítimas. A intenção, de acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), era matar o filho, mas eles acabaram assumindo o risco de também matar o pai. Além dos crimes contra a vida, os dois foram sentenciados por corrupção de menores por envolverem um adolescente. 

Publicidade

Leia Também:

Todas as teses apresentadas pelo Promotor de Justiça Victor Abras Siqueira, que representou o MPSC em plenário, foram acolhidas pelo júri. As penas dos réus variam de seis a oito anos e seis meses de reclusão, em regime fechado. A todos eles, que já respondiam presos à acusação, foi negado o direito de recorrer em liberdade.  

Segundo consta nos autos, os sentenciados acreditavam que uma das vítimas - no caso, o filho - pertencia a uma facção criminosa rival. Naquela tarde, um dos executores e o adolescente, após saírem da residência do outro réu, que inclusive é parente das vítimas e sabia da rotina delas, teriam ido até uma rua e aguardaram a passagem do veículo onde pai e filho estavam. 

Ao avistarem as vítimas, perseguiram o veículo a pé em via pública e, ambos armados, efetuaram diversos disparos em direção ao automóvel. Em seguida, o executor e o adolescente teriam ainda retornado à residência do outro réu.  

Das qualificadoras 

O Promotor de Justiça reforça que as mortes somente não se consumaram apenas por circunstâncias alheias à vontade dos réus, pois os disparos de arma de fogo atingiram veículos que estavam estacionados na via pública e as vítimas conseguiram sair do local. 

Os jurados entenderam que o crime foi praticado por motivo torpe, pois os réus teriam cumprido o "decreto" de uma organização criminosa por acreditarem que a vítima mais nova era integrante de outra rival. 

Além disso, o Conselho de Sentença atendeu a tese do MPSC de que os réus agiram mediante emboscada e recurso que dificultou a defesa das vítimas, pois sabiam que iriam transitar com o veículo e as surpreenderam com os disparos naquele momento. Assim, se beneficiaram do elemento surpresa, aproveitando-se do fato de que pai e filho não poderiam prever o ataque em via pública e em plena luz do dia. 

O julgamento, que começou às 9 horas desta terça-feira, foi encerrado na quarta-feira, por volta das 18 horas. O processo tramita em segredo de justiça. 

FONTE/CRÉDITOS: Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC - Correspondente Regional em Blumenau
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )