Portal Expresso

Sabado, 22 de Junho de 2024
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Alto Vale

TROMBUDO CENTRAL: Neta que realizou saques de conta bancária da avó sem autorização é condenada

Fato aconteceu em 2020 quando neta apoderou-se do cartão e da senha da avó de 81 anos

Redação Portal Expresso
Por Redação Portal Expresso
TROMBUDO CENTRAL: Neta que realizou saques de conta bancária da avó sem autorização é condenada
Divulgação/Freepik
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Uma mulher foi condenada por desviar e se apropriar das economias depositadas na conta bancária da própria avó em uma cidade do Alto Vale do Itajaí. Consta nos autos que, em quatro oportunidades no mês de novembro de 2020, a neta apoderou-se do cartão e da senha da avó de 81 anos, foi até uma agência bancária e efetuou saques de dinheiro que totalizaram R$ 4 mil. A decisão é do juízo da 2ª Vara da comarca de Trombudo Central.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) o valor era proveniente de economias e proventos de aposentadoria da idosa, de maneira que ao montante a denunciada deu destinação diversa da de sua finalidade, já que não foi usado em benefício da vítima - que teria notado a ausência dos cartões e da senha e registrado um boletim de ocorrência após ir ao banco e descobrir as retiradas feitas pela neta.

Em sua defesa, a ré declarou que os saques foram feitos com a autorização da avó para a compra de mantimentos para casa, pagamento de serviços prestados por ela e, ainda, que seus avós tinham a intenção de subsidiar o curso para obter sua permissão para dirigir e conduzi-los para consultas médicas. “Na esteira dos fatos denota-se que não havia autorização para promover os saques, especialmente porque, fossem os valores empregados de acordo com a finalidade esperada, não haveria sequer a necessidade de promover o registro de ocorrência. Frise-se: registro feito pela avó contra a própria neta”, cita a magistrada sentenciante.

Publicidade

Leia Também:

A mulher foi condenada a pena de um ano, cinco meses e 15 dias de reclusão, inicialmente em regime aberto, 13 dias-multa e reparação cível no valor de R$ 4 mil para os herdeiros da vítima - que faleceu ao longo do processo -, acrescido de juros de mora e corrigido monetariamente. A pena privativa de liberdade foi substituída por duas restritivas de direito - prestação de serviço à comunidade ou entidades públicas e prestação pecuniária pelo crime. A decisão prolatada neste mês (11/1) é passível de recurso (Ação Penal n. 5000557-93.2021.8.24.0074/SC).

FONTE/CRÉDITOS: Assessoria de Imprensa/NCI Responsável: Ângelo Medeiros - Reg. Prof.: SC00445(JP) - reprodução
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )